.:mais sobre mim

.:pesquisar

 

.:Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.:posts recentes

.: Vacinação do recém-nascid...

.: Higiene do recém-nascido

.: Transporte do recém-nasci...

.: O trabalho de parto

.: Preparar a mala - o parto

.: Gestação... da 40ª à 42ª ...

.: Gestação... da 35ª à 39ª ...

.: Gestação... da 30ª à 34ª ...

.: Gestação... da 25ª à 29ª ...

.: Gestação... da 20ª à 24ª ...

.:arquivo

.: Setembro 2009

.: Agosto 2009

.: Julho 2009

.: Junho 2009

.: Maio 2009

.: Abril 2009

.: Março 2009

.: Fevereiro 2009

.: Janeiro 2009

.: Dezembro 2008

.: Novembro 2008

.: Outubro 2008

.: Agosto 2008

.:tags

.: todas as tags

.:as minhas fotos


Web Design

.:links

.:mapa dos usuários

Locations of visitors to this page
blogs SAPO

.:subscrever feeds

Quarta-feira, 15 de Outubro de 2008

Vigilância na gravidez

 

Boletim de Saúde da Grávida

Após descobrir que está grávida, a melhor atitude a tomar é consultar o médico assistente. Ele irá iniciar todo o processo médico que irá acompanhar a mulher ao longo de toda a gravidez. Nesta consulta inicial irá ser-lhe atribuído o Boletim Saúde da Grávida que de acordo com a Circular Informativa nº 16/DSMIA de 07/09/01 deve conter: história familiar e antecedentes pessoais, antecedentes obstétricos, dados da gestação actual, exames laboratoriais efectuados, registo de dados clínicos e analíticos, intercorrências da gravidez, descrição do parto e consulta pós-parto. Este Boletim de Saúde da Grávida existe por prerrogativa da Direcção Geral de Saúde e deve ser oferecido a todas as grávidas na primeira consulta, seja ela feita no SNS ou por um qualquer subsistema de saúde privado.

O Boletim de Saúde da Grávida pretende ser um documento de articulação entre instituições, como por exemplo quando há necessidade de recorrer a uma instituição hospitalar desconhecida, mas também um objecto de seguimento da grávida que deve acompanhá-la em todos os momentos para permitir uma vigilância mais eficaz da gravidez.

 

Exames de rotina e testes laboratoriais

Ao longo das consultas de seguimento da gravidez vão ser efectuados múltiplos exames e análises protocoladas a nível nacional. Sendo estes: ecografias, exames de sangue e urina.

A primeira ecografia serve para confirmar a gravidez, a sua viabilidade e estabelecer a idade gestacional do embrião (tempo de gestação), sendo importante que esta seja efectuada até à 12ª semana de gestação, altura em que as mulheres, mesmo aquelas com irregularidades menstruais começam a suspeitar que algo se passa. Os exames ecográficos ao longo da gravidez são então realizados usualmente entre a 9ª e 12ª, a 18ª e 20ª e a 34ª e 36ª semanas de gestação.

 

Na 1ª consulta:

  • *Hemograma (contagem das hemácias, leucócitos e plaquetas) - irão avaliar o nível de hemoglobina e necessidade de suplementação com ferro e/ ou ácido fólico;
  • Electoforese da hemoglobina para despiste de doenças genéticas - detecção de hemoglobinopatias (talassemia e anemia das células falciformes);
  • * Determinação do grupo sanguíneo - é importante saber, caso seja necessária uma transfusão de sangue para a mãe ou se a mãe for Rhesus negativa implica cuidados adicionais na prevenção da doença hemolítica do recém-nascido;
  • *Teste de anticorpos do factor Rh no sangue da mãe;
  • *Teste da rubéola - verifica-se a imunidade materna à rubéola, se esta ficar infectada durante a gravidez por implicar malformações fetais de relevo;
  • * Teste de hepatite B e C - o estado da mãe relativamente a estas infecções é importante para evitar a transmissão vertical (mãe-filho) e para tratamento da mãe;
  • * Teste de sífilis - se o exame for positivo a mãe é tratada mediante um antibiótico, não tendo assim implicações para o feto;
  • * Teste para detecção de glicose e proteínas na urina – a análise à glicose (açúcar permite detectar o desenvolvimento de diabetes associado à gestação, a análise às proteínas quando positiva pode ser indicadora de uma doença renal, pré-eclâmpsia ou simplesmente uma contaminação da amostra com fluído vaginal.

Às 12 e/ou 16 semanas:

  • Recolha de sangue para rastreio do síndrome de Down - estes exames implicam sempre uma margem de erro;
  • *Recolha de sangue para rastreio de espinha bífida.

Às 28 semanas:

  • * Hemograma (contagem das hemácias, leucócitos e plaquetas);
  • * Determinação do grupo sanguíneo.
  • Primeira consulta do terceiro trimestre:
  • * Teste do HIV - efectuado se a mãe não se opuser, pretende-se reduzir o risco de transmissão vertical.

Às 36 semanas:

  • Hemograma (contagem das hemácias, leucócitos e plaquetas).

Todas as consultas:

  • *Teste para detecção de glicose e proteínas na urina.

Relativamente ao teste de anticorpos do factor Rh e teste da rubéola pode haver necessidade de serem repetidos, o médico assistente irá ter isso em atenção.

Esta é a bateria de exames usuais, porém devido a qualquer fenómeno no historial materno podem haver a necessidade de outros exames complementares.

Em todas as consultas de seguimento da gravidez irá ser efectuada: a palpação abdominal, para medição da altura uterina, avaliação da posição e tamanho do bebé; a auscultação dos ruídos cardíacos fetais; exame aos membros inferiores, para detecção de varizes ou edemas (inchaço); exame ginecológico no início e no fim da gravidez.

publicado por Isabel às 20:04
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Outubro de 2008

Confirmação da gravidez

 

A confirmação

Estar grávida é uma notícia que pode ser aceite com alguma surpresa, felicidade e hesitação. A confirmação baseia-se na detecção de uma hormona, a gonadotrofina coriónica humana (hCG), que é produzida pelas vilosidades coriónicas (uma parte da placenta). O doseamento desta hormona pode ser efectuado através da análise da urina ou pelo sangue. O doseamento sanguíneo permite uma avaliação quantitativa (avalia as unidades por mililitro) e não somente a avaliação qualitativa (presente/ ausente) que permite uma análise à urina.

Porém a análise da urina continua a ser via de eleição das mulheres para a execução do exame inicial, pelo acesso facilitado em termos de comerciais.

O teste de gravidez vendido em farmácias, parafarmácias e supermercados variam em sensibilidade conseguindo alguns detectar valores tão baixos quanto 25UI/mL, segundo SMITH (2006) no primeiro dia de amenorreia (falta do período) os valores podem não exceder as 100 UI/mL de hCG, o que será o suficiente para os kits mais filedignos. Porém como nos alerta o estudo de COLE et al (2004) somente 44% das marcas testadas por este tiveram um valor positivo claro para valores de 100 UI/mL.

Sinais e sintomas

Os sinais de gravidez podem classificar-se em 3 tipos: sinais de presunção, sinais de probabilidade e sinais de certeza. (BOBAK, 1999)

Sendo os sinais de presunção aqueles que são percepcionados pela mulher, tais como a amenorreia (ausência do período), a fadiga (cansaço), a turgescência mamária (mamas mais duras e inchadas), o aumento de volume das mamas, as náuseas matinais e os movimentos do feto.

Os sinais de probabilidade são alterações observadas pelo examinador, tais como: sinal de Hegar (amolecimento cervical e do segmento inferior do útero), testes de gravidez positivo e sinal de Goodell (amolecimento do cérvix).

Os sinais de certeza são: a ecografia obstétrica com visualização do feto, a auscultação dos ruídos cardíacos fetais e a palpação dos movimentos fetais pelo examinador.

publicado por Isabel às 19:05
link do post | comentar | favorito